sexta-feira, março 11

Da política sueca a política suja

video

Por Lindomar Freitas de Almeida

Nascemos em um país colonizado e com escravidão que durou séculos. Surgiu uma cultura da casa-grande onde os senhores tinham uma penca de escravizados vivendo forçadamente na senzala para cuidar desde seus escarros aos seus desejos sexuais. Ainda hoje a mentalidade burguesa da casa-grande e senzala persiste na relação patrão-empregado, na construção das casas com a dependência de empregada excluída do corpo principal da construção, dos salários sem equanimidade.

Quando se trata de políticos profissionais viciados no poder a relação deles com o povo é elevada a máxima potência para tirar proveito desta cultura escravista instalada no inconsciente coletivo brasileiro. Apelam para grande capacidade de resignação, do aguentar calado ou então do mecanismo típico da maioria de canalizar qualquer indignação para o campo da festa, do rebolar o corpo e para o falso discurso de sermos um povo feliz cheio de gente talentosa que sabe jogar futebol.

Não há dúvida sobre os valores criativos do nosso povo e de sua relação amistosa com outros povos por exemplo. Mas isto é uma coisa outra coisa é 'deitar eternamente em berço esplêndido' vendo seus representantes levarem uma vida nababesca rodeados de assessores mandados a custa de altos salários pagos por nós, os trouxas nacionais.

Você faria um grande favor a nação se exibisse este vídeo acima em sua escola, igreja, associação comunitária ou qualquer instituição. Faria um duplo bem se refletissem e juntos tomassem algumas decisões para ajudar a expandir a capacidade de pensar das pessoas, sair da resignação pessoal e coletiva produtora de depressão social (esta lassidão nacional que não reage a tanta licenciosidade com o dinheiro público).

O vídeo deveria ser visto desde as crianças pequenas, o descontentamento deve se iniciar cedo. Uma nova mentalidade de brasileiros é urgente. É dantesco o que ocorre no meio político profissional da nação, aumenta a cada dia o asco. Carnaval, futebol e similares não devem ser anestésicos da consciência. Nós não sabemos o que é cidadania porque o que recebemos por merecimento como cidadãos desde a fundação deste país foi a conta-gotas.

Nossos antepassados tiveram os lombos marcados no chicote, as mãos calejadas, nossas mulheres violentadas em suas senzalas e florestas. Isto deve  ser resignificado, exorcizado para se almejar novos horizontes, senão, continuarão como hoje utilizando novas modalidades de chicotes, novas práticas de violência simbólica principalmente utilizando os instrumentos midiáticos.

Há duas semanas comecei um trabalho com crianças numa instituição. Lá haverá eleição para líder e vice-líder de turma. Eles farão todo um processo eleitoral como ocorre atualmente no Brasil votarão em urna eletrônica e tudo mais. Estão agora na fase de divulgação das propostas de trabalho para o ano de 2011. Há gestos interessantes de se ver e uma coisa linda que é o espírito de cooperação de alguns. Por outro lado, a contaminação do vírus da politicagem brasileira está lá na cabecinha de crianças de 7 anos: crianças comprando voto com bombons e barra de chocolate! Confesso faltaria cadeia se fóssemos um país sério, pois, não há maldade maior do que fazer mal aos pequeninos.  Uma coisa é certa o vídeo acima é presença garantida na formação destas crianças. Obrigado a Maria Luisa que me enviou da Suécia.