sábado, fevereiro 14

Pistolagem existencial e os Homens-rola-bostas

Foto: Rodrigo Vieira Soares 2008

Por Lindomar Freitas de Almeida

Pistoleiros ainda existem, sobretudo, em regiões esquecidas deste Brasil, talvez do mundo. Até há um tempo os filmes eram muitos retratando o velho oeste estadunidense e os famosos bang-bangs, a lei da bala. Certo, mas, há outros pistoleiros que matam sem sair sangue da vítima. Pois, acertam a alma com o objetivo de secá-la, exaurindo sua substância sem piedade. Estes expelem falas venenosas sem argumentos, sem saber bem o que dizem destroem (ou tentam destruir) as pessoas, embora as deixem vivas.

Eles/elas estão lá em seus covis, mal-resolvidos, penetrados como água na esponja, com o veneno do ciúme, da inveja, das carências infantis. Atentos para atirar seu projétil venenoso e ver o outro derrubado, num nível chulo, participando do seu mundo vil, o mundo dos homens-rola-bostas.